25/12/2008

Olha o fio!

Não poderia deixar de relatar esse fato que durante muito tempo me fizera rir, a cena em si já aparenta ser um tanto absurda, tente imaginar com cada detalhe, o cenário e a situação.
Pois bem, iria acontecer uma procissão em homenagem a São Sebastião na pequena cidade de São Luiz do Paraitinga, interior de São Paulo. A fim de destacar tal evento, os organizadores decidiram fazer uma "estátua- viva" do santo, algo muito criativo e inovador até então.

Havia uma senhora na cidade que podia ser considerada uma das fiéis mais religiosas e adoradoras da igreja Católica, que, ao saber da intenção, acabou oferecendo para que seu filho fosse a tal "estátua-viva", já que era um rapaz muito bonito, que, segundo ela, tinha algo de santo em sua aparência física.

Logo, concordaram com a senhora, os organizadores entusiasmados começaram a planejar como fariam com o rapaz, como o amarrariam no pedaço de madeira, como seria a sua caracterização etc. O único que não gostara muito da idéia fora o próprio rapaz. Imagine um jovem, no auge de sua mocidade, vestir-se de santo e desfilar pela cidade em cima de um andor, com todos os seus colegas observando. Definitivamente, seria um tanto constrangedor, mas, a pedido da mãe, o rapaz acabou cedendo.
Ao chegar a hora, o rapaz foi amarrado em um tronco de madeira e colocaram algumas flechas de plástico como parte da caracterização.

Ao decorrer da procissão, o rapaz observou que a alguns metros a frente, havia um fio elétrico que, caso as pessoas que o carregavam não abaixassem o andor, encostaria nele, causando um grande estrago. Prevendo o que aconteceria, o rapaz olhou para trás ainda amarrado e tentou avisar a banda que estava compenetrada em animar o evento. Não houve sucesso em tal operação. Tentou avisar outra vez, e outra... mas de nada adiantava. A banda continuava a tocar, o fio se aproximava e seu desespero aumentava. Gritara diversas vezes a mesma frase: "Olha o fio!!", e infelizmente fracassara em todas as tentativas de se salvar.

Quando a madeira em que estava amarrado finalmente encostou no fio elétrico, começaram a sair faíscas por todos os lados, o curto circuito foi enorme e assombroso. Por sorte o rapaz não se feriu, mas, extremamente nervoso, conseguiu se soltar da corda que o amarrava e saltou do andor deixando escapar diversas formas de expressão como "Filho da puta! Que merda! Eu estava tentando avisar!", observado pela perplexa platéia que agora, apesar de fiéis, condenavam com os olhares o santo boca-suja!

Um comentário:

Carolina disse...

Qué anécdota tan graciosa, me ha hecho reir mucho...
Me encanta tu blog, es como abrir el baúl de mi abuelita (bueno, por eso el nombre, no?) e ir encontrando esas cosas tan lindas que ella guardaba, sus cartas de amor amarradas con una cinta, sus cofrecitos llenos de cachibaches, era toda una experiencia que me encantaba repetir. Experiencias que no recordaba hace tanto tiempo...