03/01/2009

Menotti Sisti e Esther Cavallari

O pouco que sei sobre esses personagens tão marcantes em minha história já foi o bastante para me encantar profundamente. Avós de minha avó Myrian (Podemos então dizer que seria uma história da vovó 'ao quadrado'.) o casal de origem italiana, veio de Verona (Esther) e Ferrara (Menotti) tentar a vida no Brasil.
Conforme relata minha avó, viviam bem e formavam um casal alegre.
"Mamma", como era chamada pelos filhos; "vovó Mamma", como era chamada pelos netos. Esther, jovem de família rica (sobrenome Cavallari) adorava passar o tempo jogando damas, gamão, e outros joguinhos infantis com seus netos; e chegava até mesmo a se irritar quando perdia. Era extremamente ciumenta, apesar de ser belíssima. Já Menotti, que tinha três irmãos, Albertina, Pedro e Ricchotti; se interessava por música, principalmente música popular e clássica. Costumava cantarolar com voz de Tenor músicas italianas. Segundo minha avó, esse seu lado italiano de contar 'causos' fora herdado desse seu avô materno. Pelo seu profundo apreço pela música clássica, Menotti contatou-se com maestros famosos em suas viagens de trem. Uma "peça rara" como define minha avó, contava histórias fabulosas e tinha assunto para tudo!

Conta-se que o casal passou por sérias dificuldades durante o período da Segunda Guerra Mundial, uma vez que, seus serviços de alfaiate passaram a ser supérfluos. Esther ajudava o marido a confeccionar bonés e outras lindas peças. Minha avó Myrian só tinha contato com estes avós durante as férias, quando ia com a mãe e as irmãs visitá-los na Penha, bairro pobre de São Paulo na época.
"Durante a infância, sempre que aconteciam grandes tempestades eu e meu primo Roberto (do Rio de Janeiro, que também ia passar o Natal na casa dos avós) ficávamos nas calçadas das penhas pegando girinos." relata minha avó. "Vovó Mamma matava frango e peru para a ceia em seu próprio quintal." - completa.
Tiveram nove filhos, e pode-se dizer que ambos esperavam que uma de suas filhas nascesse com a beleza européia de Esther. Sua pele clara e os olhos verdes foram devidamente repassados à uma das filhas, Eda.


Assim que começou a namorar meu avô Fausto, minha avó (que tinha por volta de seu quinze anos), passava somente as terças, quintas e sábados em sua companhia, mesmo assim tinha que entrar em casa às dez da noite; por isso conta que diversas vezes se irritara ao perder parte de seu tempo com seu avô Menotti, enquanto ele atraia toda a atenção de seu namorado com suas histórias mirabolantes. Quisera eu tê-los conhecido!



Fim da vida e morte.

Menotti saia todas as tardes para conversar com conhecidos na rua. Com cerca de 90 anos, tomou um prato de sopa, Babá - ou Bárbara- (filha que cuidou dele em seus últimos anos) escutou um grito e correu para o quarto do pai, onde encontrou-o já morto. Morrou lúcido, cheio de vida, muito alegre.

Esther (falecida em 26 de maio de 1961) teve um derrame cerebral, com cerce de 70 anos, na mesma casa em que seu marido morrera. Ficou dois anos em uma cadeira de rodas. Conta-se que ela estava preparando a casa para a visita de minha avó Myrian, qua havia acabado de se casar ( em 20 de maio de 1961). Acordou, foi a uma capela de Nossa Senhora, rezou, voltou para casa e teve uma trombose nas pernas, então veio a falecer.

12 comentários:

Luiz Calcagno disse...

A linha que liga o presente ao passado é mascada e tênue. Não custa lhe arrebentar sem querer. Uma palavra não ditoa e "tec!", já era. Seu trabalho aqui é muito importante. Abraço!

Luiz Gonzaga disse...

Alfaiate. Pra mim essa palavra tem um tipo de magia. Alfaiate...
bj

DANY Z... disse...

Oi Malu,

Acho fascinante isso de conhecer sobre o passado da família (quem sabe algum segredo rsrs) e coisas do gênero.

Adorei a maneira como narra a história dos avós de sua avó e as fotos enriquecem ainda mais o texto...

Um ótimo domingo para vc...

Bjs!!!

Dany Z.

Wagner Kaiowas disse...

Sou apaixonado por Giuseppe Verdi!
Cada um deve saber sobre sua origem, o passado de sua família...
As mulheres italianas são belas e ficam divertidíssimas quando estão bravas, rsrs.
Beijão, fica bem...

Malu Paixão disse...

imagino como seja, se as descendentes já são especialmente únicas quando estão bravas rsrs
dany.. tbm sou apaixonada pelas histórias!
muito obrigada a todos que comentaram!

Angela Esther Sisti Pereira disse...

Estava fazendo uma pesquisa de sobrenomes para minha filha quando achei este da minha familia. Adore!
Sou Angela, filha mais nova da Hilda.
Só resta saber de qual dos filhos de minha prima (sua avó) você é filha. Vamos manter contato. Também quero ter noticias das minhas primas .
Meu e-mail:
angela@comp.designer.nom.br


Um beijo

Angela

bethaniamuniz disse...

Lindo lindo lindo!!!
Realmente está muito legal tudo o que vc está escrevendo sobre nossa família pq eu, particularmente, descobri mta coisa que não sabia!
Caso queira saber das gerações mais jovens da família Sisti, pode contar comigo!
Meu Pai, é filho da Barbara. Faleceu em 2006 mas sempre foi uma pessoa maravilhosa! Como vc mesma disse, com personalidade diferente de cada um dos seus irmãos!!!
deixo aqui meu e-mail: mariabe_muniz@oi.com.br
Bjo grande,
Maria Bethania

bethaniamuniz disse...

Só corrigindo, deixei o endereço de email errado.
Meu email é mariabe_muniz@hotmail.com
Bjos, Maria Bethania

Aline disse...

Maravilhoso saber mais da familia, precisamos manter contatos para descobrir mais hitórias. Sou Aline Sisti, neta de Ottorino, filha da filha mais velha dele Roseana. Meu email é agropiu@hotmail.com, orkut aline Aguirre, vamos manter contatos. Parabéns pelo blog.

Prisisti disse...

Olá! Como já havia comentado, adorei! Sou a filha mais nova do Ottorino, do segundo casamento! Também foi por acaso que encontrei este "baú" e passei para minhas filhas! Vi fotos que me recordaram muitas coisas boas da infância (casa da tia Hilda!)Que saudade dos meus primos! passei o blog pra Regina, minha irmã e ela imprimiu e levou para o meu pai, Ottorino. Imagina a emoção dele ao ver as fotos e toda a história!!! bom meu e-mail priscilasisti@hotmail.com e orkut: priscila salomão sisti. Bjs pra todos da família!

Anônimo disse...

É muito bom que através da querida Maluzinha,eu Sônia filha da Zina estou sabendo noticias da familia Sisti.A propósito o querido tio Ottorino é meu padrinho.Meu email é:sonianiel@multiblinds.com.br.
Só uma jovem muito especial como a Malu para ter sensibilidade para narrar histórias de nossos antepassados. Beijos.

Felipe Sisti disse...

Pesquisando do menotti achei este blog ... Sou neto do furio e estou tentando reunir os documentos para a cidadania italiana , alguém da família tem a certidão de nascimento ou óbito ? A de casamento eu tenho ! Se alguém tiver por favor me contacte felipeamorelli@gmail.com