02/02/2009

José Ferreira da Paixão e Etelvina Alves Guerra

Para que entendam a próxima história é necessário que eu apresente esse meu "trisavô", materno de minha parte, paterno da parte de minha avó, explico...
José Ferreira da Paixão era avô paterno de minha avó (pai de seu pai, Luiz Guerra), e filho de um professor do Colégio D. Pedro I (Se não me engano) em Petrópolis. (Infelizmente não consegui pesquisar tão a fundo a pónto de encontrar seu nome, sei apenas que o pai de José Ferreira era de uma família muito rica e conhecida na cidade.)
Em uma época em que pouquíssimas pessoas completavam o ensino superior, meu trisavô, José Ferreira, concluiu o curso de direito, tornando-se assim juiz de direito, e orgulho de seus pais.
Ao conhecer a mineira Etelvina Alves Guerra, decidiu abandonar a vida que tinha em Petrópolis e mudar-se para Minas Gerais. Estava decidido a passar o resto de sua vida com a amada. E foi exatamente isso que aconteceu. Deixou a família, a fortuna, o reconhecimento, e foi viver em uma cidade pequena no interior de Minas. Seguiu a carreira judiciária exercendo o cargo de juiz de direito em várias cidadezinhas como Grão Mogol, Manhuassu, Diamantina e Três Corações.

Arranjou uma carta de apresentação como juiz para o sul de Minas, assinada pelo próprio jurista e diplomata Ruy Barbosa (que inclusive faleceu na cidade de Petrópolis). Uma cópia da carta estava com minha mãe até tempos atrás, e a original foi levada para a Faculdade de Letras que minha mãe cursava para ser restaurada, mas infelizmente nunca mais a encontramos.

Tiveram quatro filhos (já citados em outras postagens). Meu bisavô Luiz, minha tia-bisavó Maria Luiza, e meus tios-bisavós Mario e José Ferreira da Paixão Filho. (Clique nos links para obter mais informações!).

Apesar do pouco contato afetuoso que minha avó Myrian fora privada de manter com os avós, por viver conforme limitavam os costumes e valores de seu pai, ainda lembra-se perfeitamente da figura de seu avô José Ferreira e de seu gênio sério e imponente. Ao contrário de seu avô italiano Menotti, José Ferreira era sério e introvertido, contava poucas histórias, dentre elas está um dos "causos" mais assustadores de minha família (principalmente pelo fato de ter sido contado por essa figura quieta e objetiva, que jamais inventara qualquer brincadeira durante toda sua vida. Leia a história na próxima postagem!

Etelvina Alves Guerra, a "avó mineira de minha avó Myrian" fora uma mãe muito severa com os filhos, chegando a aplicar surras até mesmo com vara de marmelo, segundo minha bisavó Zina (sua filha). Ao contrário de seu perfil marcado de mãe-exigente, Etelvina tornou-se uma avó calma, tranquila, mansa...
Minha avó Myrian conta que morou durante um tempo com essa avó e que inclusive literalmente nascera na cama de Etelvina! O parto foi realizado ali mesmo!

Como tinha a situação financeira muito melhor do que a avó italiana Esther, Etelvina não se ocupava com os afazeres domésticos, tinha uma empregada que trabalhava até mesmo aos domingos limpando a casa e cozinhando; então ocupava seu tempo fazendo crochês e outros hobbies.
Extremamente religiosa, também fazia parte de uma Congregação de Senhoras Católicas. Ao enviuvar passou a morar na casa de meu bisavô Luiz Guerra Paixão, onde relatava "causos" de sua vida à neta Myrian, assim como a mesma tem feito comigo.
(Foto: José Ferreira da Paixão e Etelvina Alves Guerra.)

5 comentários:

Chica disse...

Sem dúvida essas histórias de família são interessantes! gosto muito! E que carta famosa aquela.Pena que não a encontraram mais,heim? Um beijo,chica

José Luis Ramos (Bler) disse...

bellas fotos

Vinicius A. Amaral disse...

Olha, mais uma vez parabéns pelo trabalho que vem desenvolvendo aqui! Uma verdadeiro trabalho de História!

Antônio paixao disse...

Algumas correções
Nomes corretos jose Ferreira da paixao filho e Etelvina Alves Pereira guerra. Foram 5 e não 4 filhos: Maria luiza,José,Mário,Luís e Paulo.O nome correto do meu pai era José Guerra da Paixao.

O Guararense disse...

Não seria José Ferreira da Paixão tio de José Francisco da Paixão (que era filho de Francisco José da Paixão e de dona Emília Francisca de Azevedo Paixão)? (http://oguararense.blogspot.com.br/2012/06/j-paixao.html)